Que dirás no fim, quando construíres o teu jazigo? Quando encarares o diabo? “Eu fui sobressaltado pela hipótese de viver?!” 
Fomos expostos a um mundo de conhecimento sem sentimento. E à medida que a natureza humana se esqueceu do prazer de ser mamífero, tudo se tornou numa caminhada parada. Perguntamos pelo catecismo nas horas cinzentas. A comunhão entre saber ser e saber fazer. Somos seres de barro escondidos da chuva. Pequenas marionetas num espectáculo especulativo. Um ciclo num circo. Fazer um assalto às emoções pode-nos condenar. Que dirás no fim, quando construíres o teu jazigo? Quando encarares o diabo? “Eu fui sobressaltado pela hipótese de viver?!

Prefiro assim: encarei com o diabo com os olhos semelhantes, tinha cabelos espontados e os lábios cobiscantes.
Usava sobre a cabeça um grande barrete vermelho, usava calça amarela e botas até ao joelho. Quando vi tal espantalho um murro lhe quis pregar, mas vendo que era o diabo não me atrevi a lutar.

O diabo então me disse: “Monta neste bicho se ao céu pretendes ir, ele é lesto e depressa lá te deve conduzir“.

Quando lá cheguei vi S. Pedro com suas chaves na mão, barba branca e careca, encostado ao portão. S. Pedro disse:”ó Vera que fazes tu por aqui?
Eu embasbacada comecei a resmungar e S. Pedro já zangado começou também a ralhar. Eu disse: “Ouça lá S. Pedro há por cá homens bonitos que uma mulher possa amar?
S. Pedro respondeu: “Tu estás tola mulher. Não vês que os bonitos vão para o inferno por causa da sua vaidade e para o céu vão os inteligentes gozar a eternidade? Então tu mijavas no bacalhau para que fosse mais pesado e de caganitas de cabra e de burro igualmente fazias café para servir a toda a gente, tinhas tudo falsificado. Vais para o inferno que é o lugar que te é dado.”

Quando passei ao purgatório também lá fui avistar o sacristão meu amigo, para se alumiar de noite com a cera do altar.

Portanto, meus amigos, não façam nada deixem-se estar, façam jejum e domingo comam uma garniza ao jantar. Somos todos mamíferos, nestes e nos dias que virão. Faz acontecer e valer a pena. E come peixe omega 3 com uma rosca de pão.

Comentários



Véronique S.

Tem os braços onde deveria ter as orelhas. Tem o coração onde deveria ter os olhos. Já as entranhas, costuma adormecer a mexer nelas. Qual criança que brinca com os cabelos até o sono à visitar.

Publicação Anterior

Rufus Wainwright e a multidão silenciosa | Crónica

Proxima Publicação

Concertos @ 25º Curtas Vila do Conde | Agenda