Contudo, importa que este caso não se fique apenas pelas fogueiras onde ardem os três ex-secretários de Estado. 
Quando em Agosto o caso veio a público, não tive dúvidas: governantes sérios não aceitam presentes de empresas privadas, mais ainda quando tutelam áreas com impacto nessas mesmas empresas, e os três secretários de Estado que viajaram com a Galp para o Euro2016 não tinham condições para continuar no cargo.
Nem eles, nem os deputados do PSD que aceitaram presentes idênticos, ou não fossem eles legisladores, situação que se torna mais grave ainda quando estamos a falar do presidente e do vice-presidente (futuro presidente?) da bancada parlamentar do maior partido da oposição.
Com o caso a chegar a uma fase em que os três secretários de Estado serão muito provavelmente constituídos arguidos, Rocha Andrade, João Vasconcelos e Jorge Oliveira decidiram apresentar a sua demissão ao primeiro-ministro, que a aceitou. Uma decisão rara vinda de um governante, o que não invalida que resulte de pressões e que peque por tardia, e que infelizmente não foi acompanhada por outros responsáveis eleitos, que também tomam decisões que afectam a Galp e outras empresas, mas que preferem fazer de conta que não há nada mais normal que um político honesto e responsável receber bons presentes de empresas privadas.

Da esquerda para a direita, Fernando Rocha Andrade, João Vasconcelos e Jorge Costa Oliveira | © Visão

Contudo, importa que este caso não se fique apenas pelas fogueiras onde ardem os três ex-secretários de Estado. Porque de presentes de empresas privadas está o hemiciclo cheio e o regabofe não começou no Euro2016. É preciso criar mecanismos eficazes e dissuasores, dotados de ferramentas que permitam punir quem recebe, mas também quem dá. É preciso estender esses mecanismos a todos os órgãos de soberania, às autarquias e às empresas públicas. E é preciso coragem, muita coragem, para acabar com a central de negócios em que se transformaram o Parlamento e as suas comissões, onde se multiplicam os casos de deputados legislam em causa própria. Para acabar com o clientelismo instalado no mapa autárquico português. Para acabar com a dança de cadeiras e favores. Para acabar com a impunidade e com a sua normalização. E, já agora, para obrigar os caloteiros a pagar o que devem.

Comentários



João Mendes

Publicação Anterior

Festival Laurus Nobilis Music Famalicão 2017 | Agenda

Proxima Publicação

Milhões de Festa'17 | Agenda