Porto… uma cidade onde alguns de nós, para além de termos cá nascido, ainda cá estamos.

Quem vem de fora acha a nossa cidade linda, fantástica, com imensos restaurantes e gourmets bem bacanos. Bom vinho, boa gente, muita diversão, muitos copos, imensas lojinhas de souvenirs e afins.

Há uns tempos atrás aconteceu passar por um blogue que mostrava as ruínas a nível nacional, deram especial destaque ao Porto, não só porque gostaram imenso do povo mas também porque tínhamos mais ruínas cá do que o centro de Lisboa. E o mais engraçado foi o embelezamento que deram a essas mesmas ruínas…prédios, antigas casas de burgueses e outras.

Visto por cá, visto por mim, o Porto é uma aldeia autêntica. E depois há as gentes e rostos de todos os dias e noites… há as confusões e tentativas de intrigas de sempre [com as mesmas gentes de sempre]…as tentativas constantes de nos sentirmos mais acompanhados e com aquela “pseudo” felicidade que nos faz fazer de conta que agora sim, as coisas vão mudar [vão sempre mudar].

1623666_1095022210516198_6570113017997003970_n

No Porto toda a gente se conhece, por uns ou por outros. Porque comentaram a tua vida a alguém ou simplesmente te viram algumas vezes no mesmo bar, ou calhou ter uma amizade no face das tretas.

Aqui os vizinhos cumprimentam-se todos os dias, quer os moradores, quer os que trabalham lado a lado. E a grande maioria é como as beatas do antigamente, sorriem e cumprimentam, falam com imensa vontade [pelo menos é o que parece], desejam as melhoras rápidas e dizem que adoram o teu trabalho, mas assim que viram as costas…ai moço!!!!!

Aí sim, bem-vindos ao Porto aldeia!!! A casaca que se vira ao prego e vai daqui até à Torre dos Clérigos!!!!! E das duas, três: ou entras na “nobela”, ou sais do casting, ou ficas a fazer parte das ruínas das cidade!

Comentários



Maria Cardoso

Maria Cardoso M. - nascida há mais de 3 decadas, dedicou-se à produção e programação de eventos dos mais variados estilos e ligou-se à música desde pequena. Sem manias de grandezas (what so ever), é licenciada em Gestão de Património e tem pós-graduação em Gestão Artística e Cultural. Sonha com um mundo minimamente em condições e que os que andam por aí a lutar de forma séria e justa, tenham o reconhecimento merecido. No que respeita à música, tem horizontes bem alargados, mas meticulosamente picuinhas...é a vida.

Publicação Anterior

O fabuloso destino de Marcelo Rebelo de Sousa

Proxima Publicação

É o Fim da Macacada!