Isto poderia ser passado numa novela mexicana. Mas também pode ser a vida de alguém que conheces, ou até a tua.
Teresa está na labuta e surge um pensamento: o que vou fazer para jantar?! Não deixei nada cá fora…
O Paulo está na labuta e pensa: o que é que será que vai ser o tacho logo à noite?! Só espero que não invente muito…

Teresa e Paulo estão casados há 3 anos. Não têm filhos ainda. Começa a notar-se cenas estranhas. A Teresa anda com pouco apetite para dar uma trólitada todas as noites — agora é dia sim, dia não, dia não, dia sim — as desculpas do costume. O Paulo agora põe o telemóvel no bolso e vai mijar muitas vezes — é por causa da médica de família ter dito para ele beber litro e meio de água por dia e o telemóvel é para o caso de dar vontade de cagar, jogar tetris — sim, troca mensagens com a colega solteirona.

Um dia a Teresa foi convidada pela solteirona para jantar em casa dela, para não ter de pensar o que fazer de comida. A Teresa foi comida pela solteirona e o Paulo foi um meio para a solteirona chegar à Teresa.
Hoje, o Paulo compra frango assado no Pingo Doce para jantar e a Teresa sabe que vai comer de jantar uma amêijoa. Hoje o Paulo foi à balança da médica de família, pesa mais cinco quilos do que o que devia. A Teresa está com uma prateleira de fazer inveja ao Ikea.

Pensa bem antes de criticar o outro. Importa é estar bem. Que me importa a mim se a Teresa preferiu passar o corredor a pano ao invés de tocar flauta lisa? Que me importa a mim se fulana de tal está constantemente a colocar selfies para os dedos levantados? Que me importa a mim se ouves Doors ou Deolinda? Se preferes carne ou peixe? Se tens carro com pen ou cassete? Se tiras o cotton do meio dos dedos e para todos os efeitos és cheiro frutos silvestres no elevador? Cagas, peidas, transpiras e morres como o comum mortal.

Então, porque não vives e deixas viver? Talvez porque isso seja uma tragédia em primeiro acto da qual ninguém vai colocar um like.

Comentários



Véronique S.

Tem os braços onde deveria ter as orelhas. Tem o coração onde deveria ter os olhos. Já as entranhas, costuma adormecer a mexer nelas. Qual criança que brinca com os cabelos até o sono à visitar.

Publicação Anterior

IMF 2016 - Cartaz completo & entrevista a Tiago Nalha

Proxima Publicação

House Of Cards - O Crepúsculo da Inocência