Aquelas cujos significados escapam a todos nós, e para as quais todos temos nossos significados pessoais, apesar de as repetirmos exaustivamente ao longo das nossas vidas (numa lista de A até Z sem K, W ou Y)… a seguir, os meus significados que podem, ou não, ser parecidos, diferentes ou meramente complementares aos dos outros que ainda usam seus cérebros para pensar.

foto: pauloramosartistadesenhistapoetafotografo

foto: pauloramosartistadesenhistapoetafotografo

Arte – as artes são muitas, os que as fazem são poucos e os que as compreendem nenhuns.

Beijo – um beijo não é só o acto físico dos afectos é, muito mais, o matar uma fome que há muito quer nos matar.

Caminho – o caminho é tudo menos aquilo que gostaríamos que ele fosse, com pedras a enfeitar as beiras.

Desejo – desejo é querença, esperança, procura e secura, desejo é nadar na caixa d’água e ter medo de beber.

Existência – a existência é o espaço mais curto entre o ventre e a cova.

Fragilidade – fragilidade é não saber usar o espelho como escudo quando nos atiram com o ferro de engomar.

Gozar – gozar é ter um prazer profundo durante menos de um segundo.

Honra – honra é depois de recolher os cacos do espelho ainda conseguir ver-se inteiro.

Irreverência – irreverência é aquilo que nos falta quando tentamos ser felizes.

Justiça – justiça é a acção daquele que não sabe julgar sobre o outro que não soube executar.

Ler – ler é ter os olhos abertos e saber discernir, distinguir e interpretar o que falta em forma às palavras e em conteúdo às imagens.

Maluco – maluco é todo o outro, porque não é igual a ti, assim, tu és o maluco do teu maluco e vice-versa mas não exactamente nesta ordem.

Nada – nada não é o vazio, nada é quando o quarto está cheio e nós não conseguimos decidir o que deitar fora.

Olhar – olhar é ter olhos de ler, e nariz de cheirar e mãos de tocar, e língua de saber e ouvidos de aprender, olhar é ficar cego de tanto ver.

Pensamento – pensamento é o relâmpago perfeito que cruzou os teus neurônios e tu não conseguiste traduzir em palavras.

Qualidade – qualidade é sentar em frente ao computador para ler um livro tirado, recentemente, da estante.

Respeito – respeito é aquilo que nos é dado em troca pela forma como damos aos outros.

Sangue – sangue é a fonte de todos os medos, derramamo-lo por medo, doamo-lo por medo e somos somente medo de não haver sangue do nosso sangue.

Tolerância – tolerância é a base da sabedoria, é ter a certeza que o diferente é, tão somente, isso: diferente!

Unidade – unidade é a soma do que não é plural, é a soma do que não é múltiplo, unidade é saber somar o que não somos à quilo que não sabemos.

Vingança – vingança é não fazer absolutamente nada daquilo que estão todos à espera que façamos.

Xis – o xis define as incógnitas das nossas certezas ausentes.

Zero – zero é ponto de partida à chegada, o zero é o fim por princípio.

… mais destas virão em breve …

12695128_10153883964952365_868616727_o

foto: pauloramosartistadesenhistapoetafotografo

*foto de capa: pauloramosartistadesenhistapoetafotografo

Comentários



PAR

Sou muitos por cento H2O o que quer dizer que fervo a 100 e congelo a zero... tenho muito para dizer mas só digo quando quero.

Publicação Anterior

Eu, matéria negra.

Proxima Publicação

Silvano Lopes - Voluntariado pelo Mundo