13445676_912135232241822_8340312452325491271_nSou apreciador de cerveja há muitos anos. O meu gosto remonta aos 90´s com Chimay, Duvel, Hoegaarden, Leffe, finos 1664 ou Stella Artois, e a minha favorita até hoje, Delirium Tremens. Mas bebi ao longo dos anos catraifadas de diferentes cervejas, desde as latas de 19 cêntimos do Lidl, até uma prova de Westvleteren que não me lembro completamente de como terminou. Tenho um cão chamado Dunkel. Vou conhecendo os estilos e os tipos de cerveja, vou sabendo o que é uma Ale ou uma Lager, mas estou muito longe de ser um especialista ou sequer um conhecedor a quem se pode pedir uma opinião… Não vou por isso tecer grandes considerações sobre o valor, ou falta dele, das cervejas que bebi. Posto isto e agora que já ninguém está à espera que vá dar “estrelas” tipo degustador ou crítico gastronómico… fui ao Porto Beer Fest sem saber muito bem ao que ia. Sabia que cerveja havia de certeza.
Primeira nota é para o exagerado numero de cervejeiros, isto para quem como eu ia com o objectivo de parar em todos… Mesmo que me fosse financeiramente possível embarcar nessa aventura de parar em todos os stands, certamente o meu organismo não iria conseguir aguentar, e caso aguentasse, atingiria indubitavelmente novos padrões de ressaca. Fui obrigado a fazer escolhas, os critérios não serão muito concretos e basearam-se em conceitos que se foram perdendo, alegremente, ao longo do evento.
13428417_912692342186111_6126546252853028200_nToira, Amphora, Musa, Burguesa -aqui bebi uma IPA que me fez repetir-, Rapada, Faustino, Gíria, Catraio, Post Scriptum e Opo 74 com a Red Mosquito que é mesmo ao meu gosto. 10 stands, várias provas mais, algumas repetições e aqui o visitante do evento estava quase a ficar no ponto em que “são todas boas!”
Havia música, depois música ao vivo, pareceu-me que existiam workshops, ou algo do género, zona de alimentação onde nem cheguei a perceber se podia comer uns percebes ou uns caracóis, mas tudo muito bem organizado e com um clima de completa boa onda, onde a cerveja era Rainha e muito possivelmente Musa.
No inicio do evento era necessário adquirir o copo para as beberagens e poções. Cheguei a casa sem o copo, foda-se…
13412926_911941962261149_4440583996228182288_nTodas as fotos gentilmente cedidas pela organização do evento.

Comentários



Francisco Barros

- Realizador e locutor radiofónico nos 90´s com "Rockodromo" & Outros
- Proprietário da extinta "Crash-Discos".
- Vocalista em "Model".
- Passador de música e performer em "Robotic Sessions".
- Musico experimental & Ocasional
- Colaborador e Ex-colaborador em diversas publicações nacionais e locais.

Publicação Anterior

Finalmente descobri o que é ser Hipster caralho!

Proxima Publicação

Primeiro Dia na Mata do Camalhão - KRF 2016