manifesto-me!
com o manto da noite me cubro,
e do seu silêncio, me alimento.
sacio pois, a minha fome
da serena existência,
de que o dia me priva.
ainda que na ausência de luz,
consigo ver:
a matéria negra é invisível,
todavia, refuto o dogma da impossibilidade de a sentir…
Com efeito, é metade do que sou.

Comentários



Simão Mendes

Terráqueo abstracto que todos os dias procura descobrir-se e a quem o riso é indispensável. Vive despreocupadamente. Viciado em pizza, aprecia o café a 3/4 e sonha ir ao espaço.

Publicação Anterior

Em 2016 e com 35 anos feitos ano passado, ainda não sei a que geração pertenço? Rasca? X? Beat?

Proxima Publicação

Léxico de Palavras Complexas