O espaço que se segue é da inteira responsabilidade do seu interveniente/não recomendado a menores de 16 anos – A mais antiga profissão do mundo!
Agora que já tenho a vossa atenção, quero falar de amor! Ai amor… essa palavra que nos mata, nos custa dizer, nos faz vibrar… Anteontem vi um casal de namorados, deveriam ter aí os seus 15 anos. Foi tão bom ver o beijo lento, quase parado das línguas experimentais. Então lembrei de como era o amor antigamente. Não aquele em que os filhos nasciam com 7 meses, namoravam com o irmão mais velho a vigiar, tinham 7 moças, uma para cada dia da semana, e a mota – uma casal de duas – já tinha o descanso empenado.
Não vou falar do amor tão antigo, esse que durava até morrer. Mas de um amor à nossa geração. Lembras do tempo em que o tempo te fugia, e odiavas o domingo com horário de inverno? Lembras do primeiro beijo antes da catequese e ir ao confessionário por alturas da comunhão, e pedires perdão por teres dado um beijo na boca? Das tuas sapatilhas all star arrancarem paralelos quando faltavam cinco minutos para estares em casa, ou levavas um chapo ou na pior das hipóteses, uma lapada à entrada, um biqueiro no cu a meio do corredor e uma lostra ao levantar no dia seguinte? Lembras de passar um papel de carteira em carteira, que era um bilhete a dizer: Queres Namorar Comigo? – Sim # Não# Talvez#. Da primeira masturbação e guardar a cara da Gina toda empulada, em sinal de vitória, para mostrar aos amigos? (também é amor, amares a ti próprio(a)). De fazer uma fogueira às cassetes e postais quando acabou tudo? De jurares amor eterno, casamento e filhos quando tinhas 13 anos?
Se te lembras disto, isto foi amor puro. Não deste que se fabrica por equipamentos e redes sociais. Se te lembras disto, deves estar entre as casas dos 30 e dos 50. Parabéns! Foi bom enquanto durou/dura.

Comentários



Véronique S.

Tem os braços onde deveria ter as orelhas. Tem o coração onde deveria ter os olhos. Já as entranhas, costuma adormecer a mexer nelas. Qual criança que brinca com os cabelos até o sono à visitar.

Publicação Anterior

Girafas, cata-ventos e girassóis!

Proxima Publicação

The Autist - Novo video e entrevista com Pedro Remiz