[Dedicado a todas as mulheres, mesmo as porquinhas que também são gente e em determinados momentos na vida são muitas vezes uma imprescindível tábua de salvação]

Como a minha Mãe não tem Facebook, e por conseguinte está a salvo de um dos maiores males que assaltam constantemente a privacidade das mulheres no Facebook, quero alertar e explicar às pessoas, especialmente os homens, que há determinadas posições que devem ser omitidas. Hoje assinala-se o Dia da Mulher, e quero aproveitar a efeméride para explanar um problema viral que parece não ter fim à vista. Não é só pelo bem das mulheres que decidi intervir, é também a pensar no bem-estar geral. Falo do quê ?

Quando ela te aceita o pedido de amizade e tu lhe escreves no mural a agradecer.

Eu nunca tive essa experiência, porque sou homem. Estaria a mentir se dissesse que já não pensei nisso. É bom um gajo sentir-se querido, saber que alguém lhe está a dar atenção. Mas as mulheres levam com esta merda frequentemente, o que torna a situação insustentável. E só não chega a um ponto sem retorno, em que ela tem de cancelar a sua conta, porque rejeita dezenas ou centenas de pedidos de amizade, senão os gajos que ergueram o Muro das Lamentações em Israel, estariam em competição cerrada com o Mural dos Agradecimentos no Facebook, para ver quem conseguia mais visitantes.

Geralmente, o perfil destes indivíduos é sempre muito semelhante, e divide-se em 3 categorias base:

1: o azeiteiro;
2: homem de meia-idade ou idoso;
3: aquele familiar que tu andavas há muito a tentar evitar que te pedisse amizade.

Eu sei que as mulheres que não desistiram de ler este texto ao final da segunda linha, estão agora a acenar com a cabeça e a pensar: “Foda-se. Realmente esse é um retrato fiel de todos os gajos que já ma agradeceram no Facebook“. E se não estão a corroborar comigo, então desculpem, mas vocês são um bocado chungosas e ninguém vos envia pedidos de amizade (caralho, eu queria que este texto parecesse fofo e já estou a descambar).

1: Análise do Azeiteiro.

O azeiteiro é um ser muito complexo, que aparece de diferentes habitats. No entanto, regra geral caracteriza-se por ser um tipo cujo o conteúdo partilhado no seu Facebook é residual.

Nem sempre é o caso, pois pode ser o azeiteiro bombado do gym que disponibiliza regularmente fotos do seu corpo animalesco em poses também elas animalescas, tudo isto posando ou de boxers ou com uns skinny jeans rasgados daqueles que colam bem à perna para realçar o quilhão gostoso.

Temos também a versão tunning, que é aquele gajo que tem um Subaru roxo como foto de capa, podendo também ser frequentador do gym, embora este não se exponha tanto. Das 63 fotos que partilhou, 60 são de carros artilhados, 1 foto é da tatuagem que tem no braço, outra é dele vestido com uma t-shirt super justa da Armani, e depois outra com uma frase inspiracional sobre a mãe dele que foi o seu grande suporte quando teve que enfrentar um período mais sombrio na sua vida quando se deixou levar pelo vício das drogas e usava diamante na orelha e terço ao peito.

Naturalmente, não poderia deixar de falar no azeiteiro que tem namorada, ou no azeiteiro casado, que vai dar ao mesmo. Este azeiteiro nem sequer se dá ao trabalho de esconder o seu estado civil. Ele não quer saber. Não se importa, a falta de pudor entranhou-se no seu corpo no exacto momento em que ele aceitou comprometer-se com uma gorda que ainda compra top’s XS na Bershka e combina com uns leggings igualmente apertados que a única coisa que fazem levantar ao azeiteiro que casou com ela e que agora está a agradecer a mulheres solteiras que o aceitaram como amigo no Facebook, é a sombra por ser geometricamente tão quadrada.

Talvez o tipo de azeiteiro que mais enoja as mulheres é o de cariz sexual. Este sim, é aquele que só tem uma foto em todo o seu tempo de existência no Facebook, e ainda por cima está desfocada. De resto não tem mais nada. Agora com o Tinder, entre outras plataformas de engate que eu desconheço, este espécime de azeiteiro já está a entrar em vias de extinção mas ainda anda aí. E faz pela calada. É o tipo que prefere agradecer via chat, para não dar a cara, embora ele nem tenha cara para dar pois o perfil dele parece tudo menos autêntico, mas a mulher aceita a amizade porque o seu sexto sentido diz-lhe que de facto existe ali qualquer coisa de real. E então o gajo revela-se … toda a sua conversa gira à volta do seu corpo fenomenalmente esculpido, atira umas indirectas sexuais para o ar para ver como reage a mulher tentando descodificar se a sua natureza é porquiana (sim, vem de porca; se ela é porca ou não, acabei de inventar) ou não. E se ele sentir um mínimo de porquidão ali, ele não se faz rogado e manda-lhe logo uma foto dos seus peitorais para provar como ele apesar de não se expor muito no Facebook, é de carne e osso. A conversa alonga-se e o gajo já está prontinho para ir ao seu álbum de fotos porno, onde armazena inúmeras fotos do seu tarolão majestosamente longilíneo para lhe enviar alguns exemplares. Este é o tipo de azeiteiro que também pode ser tratado por tarado sexual. A maior parte das mulheres despreza tanta falta de respeito pela sua feminilidade, mas há sempre a porquinha, né ? Tu sabes de quem eu falo … sim, tu mesmo 😉

2: Análise do homem de meia-idade ou idoso.

Consistem de um modo geral em utilizadores ou recentes ou esporádicos do Facebook. Independentemente de serem casados, solteiros ou viúvos são sempre bastante respeitadores e cavalheiros, e empregam sempre termos carinhosos quando se dirigem às mulheres como “linda” , “fantástica” ou “deslumbrante”. Um agradecimento de um gajo destes é qualquer coisa como:

Obg por me aceitares. linda, bjs” e um daqueles smiles gigantescos a mandar um beijo.

A foto de perfil é uma de 4 opções:

2.1: foi tirada pelo afilhado, à pressa, depois deste já não poder ouvir mais o padrinho a pedir que lhe tirasse uma foto;

2.2: foi tirada pelo próprio através da sua webcam da Logitech. A sua expressão facial é inexistente, na medida em que ele ficou a olhar para o lado;

2.3: foto tipo passe, tirada em 1977 quando tinha 27 anos e tinha acabado de sair de um comício do Partido Comunista;

2.4: foto enquanto combatente no Ultramar.

Estes gajos podem ter o seu quê de sinistros, porque embora as suas intenções sejam benignas, há ali um certo paternalismo pervertido que paira no ar. Aquele reviver da juventude através da visualização de fotos de mulheres bem mais novas que embora tenham idade para ser suas sobrinhas, netas ou até filhas, como não lhes são nada em termos pessoais o seu imaginário é colocado à prova de cada vez que a jovem que o aceitou como amigo partilha uma foto …

3: Análise daquele familiar que tu andavas há muito a tentar evitar que te pedisse amizade.

Não há muito a acrescentar. É horrível. Aquele tio que comenta todas as fotos da sobrinha, e que depois no Natal, à mesa, relembra o resto dos familiares de algumas publicações que ela fez. E como quem não quer a coisa, quando ela se levanta para ir à cozinha buscar os bolos e os frutos secos, olha pelo canto do olho para a peida da sobrinha e pensa: “Como ela cresceu nos últimos anos …“.

É isto que as Mulheres têm de enfrentar. E mesmo assim não mudam de sexo. Não sei se serão ingénuas, pouco inteligentes ou apenas preguiçosas. Sei que o mundo sem Mulheres seria uma merda, e por isso ainda bem que não ouvem o que eu digo e permanecem assim, sem qualquer saliência entre os membros inferiores.

Já que este texto incidiu sobre problemática dos agradecimentos, quero terminar dizendo que: adoro-te Mãe porque pinaste com o Pai para que hoje eu pudesse estar aqui a defender o teu género. Adoro-te pelo arroz de ervilhas e cenoura que me fazes. Adoro-te porque nunca me faltou nada. Mas tenho que te perguntar por que é que sempre me aconselhaste a comer carnes brancas ? Posso-te confidenciar que frango até se come, peru também, mas carne de porca também é Mulher, aquele que nunca tenha provado que atire a primeira pedra 😉

Feliz dia das Mulheres, sem excepção!!!!

Comentários



Hildebrando Pereira

Publicação Anterior

SANDY KILPATRICK - LANÇAMENTO DE "CONFESSIONS FROM THE SOUTH" - THEATRO CIRCO BRAGA

Proxima Publicação

Battleme, We Bless This Mess, e Dirt Miles @ CRU