Sentei-me, distraidamente na pastelaria de todos os dias e pedi o café de sempre (Com um bagaço que ninguém é de ferro!) e deitei-lhe as duas medidas de açúcar.

foto: pauloramosartistadesenhistapoetafotografo

foto: pauloramosartistadesenhistapoetafotografo

Em muitas partes do mundo, o açúcar é uma parte importante da dieta humana, tornando os alimentos mais saborosos e fornecendo energia alimentar. Depois dos cereais e óleos vegetais, o açúcar derivado da cana-de-açúcar e da beterraba forneceram mais quilocalorias por cabeça por dia, em média, do que outros grupos de alimentos. De acordo com a FAO, uma média de 24 quilos de açúcar, o equivalente a mais de 260 calorias de alimentos por dia, foi consumida anualmente por pessoa de todas as idades em todo o mundo em 1999. Mesmo com o aumento das populações humanas, estimava-se que o consumo de açúcar deveria aumentar para 25,1 quilos por pessoa por ano até 2015. Os dados recolhidos em várias pesquisas nacionais entre 1999 e 2008 mostram que a ingestão de açúcares adicionados diminuiu em 24 por cento, com quedas que ocorrem em todos os grupos de idade, etnia e renda.

Em Portugal consomem-se 4,7 quilos de café por pessoa por ano, valor abaixo do consumo médio no resto da Europa – 6,4 quilos por ano. A cafeína chega às células do corpo em menos de 20 minutos após a ingestão do café. No cérebro, a cafeína aumenta a influência do neurotransmissor dopamina.

Entre os malefícios causados pelo consumo excessivo de café podemos listar:

Acção diurética compulsiva causadora de perda de minerais e oligoelementos, aminoácidos e vitaminas essenciais. Causa enfraquecimento do organismo através da perda de sódio, potássio, cálcio, zinco, magnésio, vitaminas A e C, bem como do complexo B.

Possui relação directa com a doença fibroquística (eventualmente precursora do “câncer da mama”).

Pode causar o aparecimento de pólipos (primeiro estágio do câncer no aparelho digestivo), verrugas, psoríases e outras afecções dermatológicas.

Reduz a taxa de oxigenação dos neurónios.

Provoca uma maior secreção de ácido clorídrico, causando irritações nas mucosas intestinais que causam colites e ulcerações, principalmente para quem sofre de gastrite.

Sua acção é acidificante do sangue, propiciando o surgimento de leucorreias, cistites, colibaciloses e variados acessos fúngicos.

A dor no estômago persistia, a de cabeça também… e o filha-da-puta do antibiótico que a amiga da minha cunhada tinha sugerido não faz qualquer efeito, foda-se!

Em Portugal, os antibióticos são classificados como medicamentos sujeitos a receita médica. O órgão regulador e fiscalizador é o instituto público Infarmed. A legislação portuguesa prevê penalidades, entre outras, definidas no Decreto-Lei nº 48547 de 1968 que regulamenta o exercício da actividade farmacêutica — mesmo assim, a venda ilegal de antibióticos sem receita médica é problemática. A Direcção-geral de Saúde do Ministério da Saúde considera a resistência aos antibióticos “uma das maiores ameaças à Saúde Pública” actuais. Portugal é um dos países da Europa com taxas elevadas de resistência aos antibióticos. O Programa Nacional de Prevenção das Resistências aos Antimicrobianos introduzido no âmbito do Plano Nacional de Saúde, previa diminuir até 2015, a nível nacional, as resistências aos antibiomicrobianos estimulando o uso racional dos antibióticos e monitorizando as resistências através da implementação de um sistema informático de vigilância, entre outros.

Acendi o terceiro cigarro e percebi que já não sobrava nenhum no maço…

Embora seja possível, actualmente, comprar cigarros em maços de 20, esse produto não foi criado dessa forma. Posteriormente à utilização de rapé (tabaco em pó para se cheirar) com finalidades terapêuticas, o cigarro passou a ser consumido apenas por prazer, enrolado manualmente ou com a ajuda de máquinas de enrolar. Com o passar do tempo, o fumar foi se assumindo como uma forma de afirmação na sociedade, nível social e até mesmo sensualidade. Artistas famosas, carros, ideias de poder ligadas ao fumo eram muito comuns nos comerciais. Isto porque, acredita-se, que quanto antes convencer que “fumar é bom”, melhor para as vendas, pois garantirá um adulto que fuma. O tratamento do tabaco utilizado na produção de cigarros introduz substâncias cancerígenas que tornam-se ainda mais daninhas durante sua combustão, podendo prejudicar o organismo de diversas formas.

O tabaco é um vício poderoso. Deixá-lo – segundo estudo publicado no New York Times – pode ser mais difícil que se livrar do álcool, anfetaminas, cocaína e até heroína. “Parar de fumar é fácil. Já parei mais de 20 vezes”, ironizava Winston Churchill, no início do século XX.

Mandei vir outro bagaço… E depois mais um para calibrar!

O álcool é uma droga depressora do sistema nervoso central que causa desinibição e euforia quando ingerido na forma de bebidas alcoólicas pelos seres humanos. Em doses mais altas, o álcool é prejudicial a saúde, podendo causar estupor e até coma. Os efeitos do álcool são percebidos em dois períodos: um de estímulo e outro de depressão. No primeiro período, o usuário se torna eufórico e desinibido. No segundo momento, ocorre descontrole, falta de coordenação motora e sono. Em caso de suspensão do consumo, pode ocorrer a síndrome da abstinência, caracterizada por confusão mental, visões, ansiedade, tremores e convulsões. Os efeitos agudos do consumo do álcool são sentidos em órgãos como o fígado, coração, vasos sanguíneos e estômago. Segundo a OMS, o consumo de álcool quando superior a 60 gramas por semana é considerado abusivo e extremamente nocivo para a saúde. No mundo, 11,5 % dos consumidores de álcool bebem em excesso, semanalmente. Estima-se que pelo menos 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo morrem por ano por causa do consumo inadequado de álcool. A ingestão de álcool está fortemente associada à manifestação de violência, comportamentos impulsivos e agressivos. A impulsividade humana é relacionada com a acção inibitória do neurotransmissor GABA e o álcool é um modulador alostérico positivo do receptor GABA-A. Assim, o álcool pode aumentar a impulsividade e reduzir o controlo das funções executivas, isto é o controlo cerebral superior, sobre os comportamentos sociais.

Deito os olhos ao jornal, não há ofertas de emprego de jeito e às que há já respondi a todas e já levei o não de sempre… Apeteceu-me ir para casa, dar na cara do primeiro que me aparecesse e cortar os pulsos!

foto: pauloramosartistadesenhistapoetafotografo

foto: pauloramosartistadesenhistapoetafotografo

Comentários



PAR

Sou muitos por cento H2O o que quer dizer que fervo a 100 e congelo a zero... tenho muito para dizer mas só digo quando quero.

Publicação Anterior

O Universo Conhecido - Visões do Cosmos

Proxima Publicação

Vira o disco, toca o mesmo ( Rest in peace Purple One )