13570376_10154278381682365_41756965_o
Partes um ovo e não há nada lá dentro, entre a falta de vontade e a surpresa resolves tornar-te vegetariano e mandar um ovo-lacto desprezo a todos os consumidores de proteína animal que possam querer encontrar alguma coisa dentro da casca de um ovo e acham que o vermelho da melancia é bom por que podia ser sangue mas não é! Bloody-Mary às cinco da tarde como um chá para inglês que diz que quer mas não vai lá confirmar e depois que os outros dizem que não querem vai lá e diz que devia ter sido diferente com um ou dois tabletes de sacarina.
Ich bin, Tha mi, Cinsiyetim e ninguém sabe nada de nada e diz que foram os outros que atacaram, que fizeram, que mataram… matar, matamos todos com o nosso silêncio e as nossas pseudo observações engajadas e cheias de certezas ocidentais, todos somos o outro, mas quando chega a nossa vez, quando nos toca, quando nos fere pomos imediatamente o rabo entre as pernas e ficamos à espera da mãezinha para bufar e fazer miminhos.
Neste mundo tipo foda-se, quem bem não está que bem se ponha, na alheta ou no caralho, crianças que não aprenderam a ler por que a escola cansou-se de ensinar, adultos que não querem ler por que o que está escrito é demasiado verdadeiro para lhe fugir e ninguém mais se interessa por saber ler, saber entender e o que é pior é ninguém querer assumir que tem é uma puta de uma preguiça da porra em pensar e analisar aquilo que acontece à nossa volta.

13552510_10154280903277365_225868120_n
Então corremos todos ao mercado e compramos nossas garrafinhas de água sem glúten e um qualquer iogurte que nos faça cagar melhor para as dores dos outros e nos permita imaginar que as hemorróidas só estouram no cu dos outros, felizes com nossos concursinhos de televisão e os politiquinhos de estação, modernos, antenados e felizes com nossos telemoveizinhos de última geração do qual não usamos nem 10% das funções, como se tivéssemos o nosso próprio cérebro entre os dedos.
Felizes por ser os veganos da vez, os “hipsters” da moda ou os donos da casa e do cão.
Felizes por usar a “T-shirt” de “eu sou este” “eu sou aquele” numa de solidariedade “facebookada” e muito pouco interessada, por que é preciso ser para estar, ser o outro no cartaz e na rede para poder não estar consciente de tudo que se passa enquanto passamos pelas coisas sem realmente vê-las!
Felizes por fingir que somos felizes, só que não! Felizes como os cães a comer as próprias fezes.

13552715_10154278541967365_690151875_n

Comentários



PAR

Sou muitos por cento H2O o que quer dizer que fervo a 100 e congelo a zero... tenho muito para dizer mas só digo quando quero.

Publicação Anterior

Conversa sobre futebol entre duas mulheres casadas.

Proxima Publicação

Nem Sei o Que é Isto