Nut Brother, activista chinês, decidiu ir para as ruas de Beijing, armado com um aspirador, para alertar as pessoas sobre o estado do ambiente. Ele foi para a rua durante 4 horas, 100 dias seguidos, a aspirar o ar. Após esses 100 dias conseguiu com os resíduos aspirados construir um tijolo!!
Brother-Nut-Dust-Plan-Pechino-6O que dizer sobre isto?

Na minha opinião, a qualidade do ar em Beijing acaba por ser um reflexo do estado em que se encontram os valores da sociedade em geral.

Olho ao meu redor e vejo a maioria das pessoas a viver a sonhar acordadas, como se no momento em que o despertador toca “acordassem” para um transe “robótico”, em que a única coisa que se persegue para aquele dia é o cumprir de tarefas, para depois (nunca se sabe quando ao certo) ser feliz, quando se tiver determinado objecto que reflicta o seu poder de compra e por consequência, o seu sucesso na vida.

Podem estar a perguntar-se, quer concordem quer não, o que isto tudo tem a ver com o título. Para mim, tem tudo a ver.

Aquela poluição toda não é única e exclusivamente da responsabilidade das pessoas que lá habitam. A culpa é da Globalização. A culpa é da super-exploração de sítios super-povoados. As pessoas compram a vida com dinheiro, quando a ganham de graça ao nascerem. A “necessidade” de ganhar dinheiro para sobreviver justifica qualquer acto. E isto está tão incutido nas pessoas que ser pobre, em países ditos desenvolvidos, é quase um crime.

É na época natalícia que esta hipócrisia se vê em todo o seu esplendor. O trabalhador comum recebe o seu tão desejado e merecido 13º mês, mas quem realmente mete o dinheiro ao bolso é, mais uma vez, a indústria capitalista. O 13º mês acaba por ser gasto em prendas que só compram para imitar uma sensação de realização pessoal e felicidade momentânea e as coisas adquiridas, na realidade, a ninguém fazem falta, porque o que realmente faz, não se compra com dinheiro.

Bijutarias feitas, na sua esmagadora maioria, em países onde as pessoas vivem escravos dos trabalhos a todos os níveis. Onde são pagos menos que um mendigo europeu aceitaria como esmola e o pouco tempo livre que têm ainda precisam de andar de máscara na rua para poderem respirar com mais segurança.

Sim, já estamos naquela fase, que se parecia tão longínqua nos nossos maiores pesadelos há uns meros 10/20 anos atrás.

Sim, já se vende “ar puro” engarrafado. Inclusive, a primeira empresa a fazê-lo, esgotou o “stock” em 4 dias!! Ainda não pesquisei muito sobre isso, mas não me admiraria muito se irónicamente as garrafas utilizadas para engrarrafar o tal “ar puro” fossem produzidas no mesmo sítio onde a sua procura é maior. (Para manter a procura ;))

Bem, não quero que fiquem com a ideia de que quero ser um “desmancha-prazeres”, até porque a mensagem que gostaria de passar é mais para as pessoas acreditarem mais no poder que cada um de nós tem, individualmente, para mudar o mundo.

Sim, é possível!

Somos mais que  7 biliões de pessoas a habitar este planeta e vivemos numa era em que o acesso à informação está muito mais facilitado e tomando decisões conscientes no nosso dia-a-dia, por muito insignificante que pareçam, faz toda a diferença. Se formos a ver, é essa a lição que podemos tirar de todo o mal que está a acontecer pelo mundo fora.

Obviamente que todos nós fazemos parte do problema. Para escrever, ler e comentar este tipo de textos, acabamos por utilizar equipamentos feitos na China na sua grande maioria. No entanto, as coisas não são tão lineares quanto isso. Porque o que faz com que haja esta super-produção é o facto de a procura ser imensa. Portanto, se as pessoas não mudassem de telemóvel, PC, TV, Tablet, MP3, Consola de jogos e etc. quase anualmente, não seria necessário produzir tanto e por conseguinte, todas as barbaridades em nome do lucro deixariam de ser necessárias também. Apesar de obviamente  não justificar a nível moral essas barbaridades, acho que também é obvio que se a partir de amanhã puseres (sim tu :P) a mão na consciência e realizares que não precisas realmente de metade das coisas que até ao momento ansiavas comprar e adicionas a isso também todo o sofrimento que podes poupar a outra pessoa qualquer (que anseia tanto como tu por uma vida digna e feliz) ao não comprares essas tais coisas, a diferença seria notória.

Concluíndo, o Espirito Natalício hoje em dia é melhor aplicado em não comprar prendas a ninguém. Podem sempre optar por dar algo que o dinheiro não compra. Não se deixem levar pela obsolescência planeada de dispositivos que nos desligam das nossas raízes e nos entretêm em vez de serem realmente úteis. E não substituem coisas que ainda funcionam. Em vez de pensarem no que querem a seguir ou no que comprar para amigos e família, dêem o vosso tempo a quem o gostaria de receber; dêem um sorriso a um desconhecido na rua; dêem o vosso coração sem nada pedir em troca, afinal de contas, é como diz o Mundo Segundo: “O altruísmo é a recompensa, dispensa compensações“. E fazendo isto, estão a mudar o Mundo.

Que tenham um Novo Ano repleto de amor e sentimentos puros de felicidade! 🙂

Comentários



Cidadã do Mundo

Com a cabeça nas nuvens interessa-se por tudo e por nada, diz mais do que o que pensa e pensa menos do que o que diz.

Publicação Anterior

Porto = Aldeia (2)

Proxima Publicação

Prémio Irreversível 2015 - Vencedor - André Silva